58% dos brasileiros querem comprar presente de Dia dos Namorados, mostra pesquisa

Mesmo diante de um cenário incerto por causa da Covid-19, a maioria dos brasileiros pretendem dar presentes no Dia dos Namorados. A conclusão é deu uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e pelo Serviço de Proteção ao Crédito em parceria com a Offerwise. Segundo o estudo, 58% dos entrevistados querem comprar, nem que seja uma lembrancinha, injetando mais de R$ 18 bilhões na economia. O gerente-executivo da CNDL, Daniel Sakamoto, lembra que 50% dos que não devem comprar nada por falta de dinheiro citam a pandemia como motivo.

“Em relação a pesquisa do Dia dos Namorados, é importante destacar que o Brasil ainda atravessa uma grave crise econômica e social. E que muitas famílias precisam controlar o orçamento. No entanto, o ato de presentear acaba sendo uma demonstração de afeto tão importante em um momento como esse que estamos atravessando.” Neste ano, os presentes mais procurados devem ser roupas, perfumes, cosméticos, maquiagens, calçados e chocolates. Completam o ranking: acessórios, joias, semi joias e flores. Em média, o consumidor brasileiro deve desembolsar quase R$ 200 e optar por uma comemoração em casa.

Para Daniel Sakamoto, isso indica que as pessoas estão mais cautelosas. “Boa parte do varejo está adaptada a essa nova realidade oferecendo kits de jantares para serem preparados na residência e alternativas para não deixar a data passar em branco. É uma boa oportunidade para se reinventar e buscar formas de aproveitar a data para aumentar o faturamento.” Segundo a Associação Comercial de São Paulo, o varejo paulistano teve uma multa de 22,7% em maio, em comparação com o mês anterior. Em relação ao mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 51,1%. O indicador foi impulsionado pelo Dia das Mães, data que tradicionalmente ajuda a aumentar o faturamento dos estabelecimentos e pela ampliação do horário de funcionamento do comércio.

*Com informações da repórter Letícia Santini