Após queda nas ações, Petrobras perde R$ 75 bilhões em valor de mercado

Ainda sentindo a troca na presidência feita por Jair Bolsonaro (sem partido), a Petrobras sofreu uma nova queda nas ações e perdeu quase R$ 75 bilhões em valor de mercado nesta segunda-feira, 22.  A estatal perdeu mais de R$ 100 bilhões em valor de mercado desde sexta-feira, 19, quando Bolsonaro anunciou que o general Joaquim Silva e Luna seria o novo presidente da empresa, substituindo Roberto Castello Branco. Na ocasião, a perda foi de quase R$ 28 bilhões. Com isso, o valor da Petrobras fechou o primeiro pregão desta semana em R$ 278 bilhões, mostrando uma queda de 27% em relação aos R$ 383 bilhões registrados na quinta-feira, antes do anúncio de Bolsonaro.

As ações ordinárias da empresa fecharam a segunda em queda de 20,48%, enquanto que as ações preferenciais recuaram 21,51%. Na sexta, primeiro dia de queda, as ações ordinárias fecharam o pregão em queda de 7,92% e os papéis preferenciais caíram 6,63%. A queda da Petrobras fez com que o Ibovespa também fechasse o dia em baixa. O principal índice da Bolsa de Valores Brasileira fechou a segunda com diminuição de 4,87%, aos 112.667. O dólar também fechou o dia com alta de 1,2%, sendo cotado a R$ 5,453, chegando a bater a marca de R$ 5,533.

No sábado, 20, Bolsonaro criticou a gestão de Castello Branco e afirmou que novas mudanças ocorreriam nesta semana. Ele também afirmou que o valor da gasolina poderia estar 15% mais barato se os órgãos de fiscalização “estivessem funcionando”, antes de citar a Petrobras, o Ministério de Minas e Energia, a Receita Federal, “que tem que ver nota fiscal, e não vê”, e o Inmetro. “São outros órgãos que ninguém nunca se preocupou em fazer absolutamente nada. Quando há aumento de combustível, o pessoal aponta e atira no presidente da República. Isso vai começar a mudar, começou a mudar. Temos que tirar quem está na frente da Petrobras”, apontou o presidente.