Com fábricas paradas, montadoras cobram mais apoio do governo e Congresso

Associação dos Fabricantes de Veículos avalia que “Brasília deveria pensar mais no Brasil”. O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, ressalta que o ambiente político assusta as matrizes, que  “não se percebeu, ainda, em Brasília, a gravidade da situação” e que o país está deixando o brasileiro para trás — tanto na questão da pandemia quanto da economia. “A gente terminou o trimestre relativamente bem, considerando a situação da pandemia no país. Os números são considerados aceitáveis, na situação, mas olhando para frente a gente fica bastante preocupado porque tem gente em Brasília que está pensando na eleição de 2022.” Luiz Carlos Moraes cita também a insegurança jurídica, sequência de liminares e que tudo acaba no Supremo Tribunal Federal. Para ele, é inaceitável a situação atual do orçamento.

“Emendas parlamentares que, ao meu ver, é pensando na eleição de 2022 e não pensando no país. Então, uma falta de coordenação entre Executivo e com o Congresso. Ruídos políticos nas últimas semanas inaceitáveis na nossa visão. Nós, conversando entre n´so, muitas das nossas empresas estão conversando sobre as matrizes, sobre novos investimentos, como manter os investimentos nesse país. E esse ambiente econômico e político não ajuda. Assusta um pouco as nossas matrizes.” O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, considera um absurdo o quadro da crise sanitária no país. Ele afirma que poderia ser menos dramático — mas, por incompetência ou falta de visão, não aconteceu. Ao ser questionado se participaria do jantar com presidente Jair Bolsonaro e empresários em São Paulo, Luiz Carlos disse que não foi convidado. Na noite da quarta-feira, 7,

*Com informações do repórter Marcelo Mattos