Concessionárias sentem impactos da piora da pandemia e já temem fechamentos

As vendas de veículos novos caíram 16,7% em fevereiro no Brasil, na comparação com 2020. Sobre janeiro passado, o recuo foi de 2,2% — 167 mil carros, comerciais leves, caminhões e ônibus. O presidente da Federação das Concessionárias (Fenabrave) aponta a falta de modelos no mercado por problemas na fabricação e autopeças, fechamento de lojas na pandemia e aumento de 207% no ICMS de São Paulo — 30% do mercado nacional. Alarico Assumpção Júnior ainda acredita numa retomada com o avanço da vacinação ao longo do ano. “Um crescimento de 16,5% sobre o resultado que ocorreu no ano passado, em 2020. E, vale lembrar, que a partir da segunda quinzena de maio do ano passado, o setor veio recuperando também — chegando no fim do ano na metade da perda que foi prevista no inicio de março do ano passado.”

No primeiro bimestre, os emplacamentos de veículos novos recuaram 14,2% — 338 mil unidades, sobre o mesmo período de 2020. A Fenabrave e Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos (Anfavea) criticaram a decisão do presidente Jair Bolsonaro em limitar a concessão da isenção do IPI para a compra de automóveis para pessoas com deficiência. Elas entendem que a regras praticamente inviabilizam as vendas PCD. A medida restringe a isenção até 31 de dezembro a carros novos com preço de R$ 70 mil e amplia o prazo de troca dos veículos de dois para quatro anos. A Medida Provisória foi editada pelo presidente para compensar a isenção do PIS e da Cofins sobre o óleo diesel e o gás de cozinha.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos