Dólar cai com bom humor no cenário internacional; Ibovespa recua

O mercado financeiro brasileiro opera nesta quinta-feira, 20, de olho no bom humor no cenário internacional com a queda nos pedidos do seguro-desemprego nos Estados Unidos e na retomada do depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. Por volta das 11h30, o dólar registrava queda de 0,40%, a R$ 5,295, depois de alcançar a máxima de R$ 5,307 e a mínima de R$ 5,282. O câmbio encerrou na véspera com alta de 1,17%, a R$ 5,316. Apesar do otimismo nas Bolsas internacionais, o Ibovespa, referência da B3, operava com leve queda de 0,1%, aos 122.514 pontos. O pregão encerrou a quarta-feira, 19, com alta de 0,03%, aos 122.979 pontos.

O Departamento do Trabalho dos EUA anunciou nesta manhã que 444 mil pessoas solicitaram o seguro-desemprego na semana passada, índice abaixo do previsto pelos analistas e o menor resultado desde março de 2020. O resultado gera uma nova onda de otimismo da recuperação da maior economia global após os choques causados pela pandemia do novo coronavírus. Investidores também seguem analisando a ata do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) que revelou que membros do Banco Central dos EUA (Fed) afirmaram em abril que a recuperação da economia justificaria a redução da política de estímulos, como a compra de títulos públicos e a manutenção da taxa de juros em níveis mínimos. O encontro ocorreu antes da divulgação de alta de 4,2% da inflação no mês passado, bastante acima do esperado pelo mercado. O Fed, no entanto, manteve a opinião de que o avanço inflacionário é transitório e que não deve mudar as metas da economia enquanto a medida não impactar significativamente na criação de empregos e na inflação.

No cenário doméstico, as atenções se voltam para Brasília onde o ex-ministro da Saúde retomou o depoimento na CPI da Covid-19 após a interrupção dos trabalhos nesta quarta-feira. A comissão foi instaurada para investigar as ações do governo federal no combate à pandemia, além do envio de recursos da União para Estados e municípios. A Câmara dos Deputados aprovou na noite de ontem a medida provisória (MP) que viabiliza a privatização da Eletrobras por meio da capitalização da empresa. O texto foi encaminhado ao Senado e deve ser votado até o dia 22 de junho para não perder a validade.