Dólar cai pela 6ª semana seguida com otimismo internacional; Ibovespa volta aos 122 mil pontos

O mercado financeiro brasileiro encerrou a semana no campo positivo com o bom humor internacional depois que a China divulgou o crescimento acima do esperado no comércio internacional. Os investidores também repercutiram a criação de 266 mil empregos nos Estados Unidos em abril, frustrando as expectativas do mercado. O resultado, porém, deve fazer com que a maior economia do mundo mantenha a política de expansão dos estímulos. Diante deste cenário, o dólar fechou o dia com queda de 0,93%, aos 5,229, com máxima de R$ 5,295 e mínima de R$ 5,205. O câmbio registrou baixa de 3,73% na primeira semana de maio, o sexto período seguido de queda. Apesar da sequência de desvalorização, o dólar ainda soma alta de 0,77% ante o real desde o início do ano. Seguindo o otimismo externo, o Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, avançou 1,77%, aos 122.038, a maior alta desde 12 de janeiro, quando fechou a 123.480 pontos. O índice acumula alta de 2,64% na semana, e 2,53% desde o início do ano.

A China anunciou a alta de 32% nas exportações e 43% nas importações em abril ante o mesmo mês em 2020. O resultado, acima do esperado pelos analistas, fortalece os indícios da recuperação da segunda maior economia do mundo — e principal parceiro comercial do Brasil —, após a desaceleração global causada pela pandemia do novo coronavírus. Já os EUA frustraram o mercado ao reportar a criação de 266 mil vagas de emprego em abril, bastante abaixo da expectativa de 1 milhão dos analistas. Apesar do resultado vir aquém do esperado, ele sinaliza que o país precisará manter a política de estímulos com juros baixos, o que deve trazer mais dólares ao mercado.

No cenário doméstico, as vendas do varejo brasileiro fecharam o primeiro trimestre com queda de 0,6%, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O setor registrou retração igual de 0,6% em março ante fevereiro, o terceiro resultado negativo em quatro meses seguidos. Os números deixam o setor 0,3% abaixo do patamar pré-pandemia. No noticiário político, os investidores analisaram os reflexos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 na gestão de Jair Bolsonaro (sem partido) e no avanço da agenda de reformas no Congresso. A primeira semana de depoimentos encerrou nesta quinta-feira com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, respondendo aos questionamentos dos senadores. A sessão, que chegou a ser interrompida para votação na Casa, teve clima tenso, bate boca e a defesa do cardiologista a questões técnicas.