Dólar vai a R$ 5,31 com cenário internacional e CPI; Ibovespa recua

Os principais indicadores do mercado financeiro brasileiro fecharam no campo negativo nesta quarta-feira, 19, após a divulgação da ata da última reunião do Banco Central dos Estados Unidos (Fed, na sigla em inglês). No noticiário local, os humores foram pressionados pelo depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. O dólar operou em alta durante todo o dia e fechou com avanço de 1,17%, cotado a R$ 5,316, depois de bater a máxima de R$ 5,325 e a mínima de R$ 5,261. O câmbio encerrou na véspera com queda de 0,09%, cotado a R$ 5,266. O Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, fechou o dia com queda de 0,28%, aos 122.636 pontos. O pregão desta terça-feira, 18, encerrou com alta de 0,03%, aos 122.979 pontos.

A ata do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) divulgada nesta tarde revelou que membros do BC dos EUA afirmaram em abril que a recuperação da economia justificaria a redução da política de estímulos, como a compra de títulos públicos e a manutenção da taxa de juros em níveis mínimos. O encontro ocorreu antes da divulgação de alta de 4,2% da inflação no mês passado, bastante acima do esperado pelo mercado. O Fed, no entanto, manteve a opinião de que o avanço inflacionário é transitório e que não deve mudar as metas da economia enquanto a medida não impactar significativamente na criação de empregos e na inflação.

Na cenário doméstico, as atenções se voltaram ao depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na CPI da Covid-19. A comissão foi instaurada para investigar as ações do governo federal no combate à pandemia, além do envio de recursos da União para Estados e municípios. O depoimento foi interrompido depois de o ex-ministro passar mal e ser socorrido pelo senador Otto Alencar (PSD-BA), que é médico. Os trabalhos serão retomados na manhã desta quinta-feira, 20. Ainda na pauta nacional, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi alvo da Operação Akuanduba, da Polícia Federal, que apura a exportação de madeira ilegal. Segundo informações da PF, Salles é investigado pela possível facilitação de contrabando de produtos florestais para os EUA e a Europa.