Ibovespa retoma os 119 mil pontos com cenário internacional; dólar fecha estável

O mercado financeiro brasileiro fechou esta terça-feira, 13, no campo positivo com o bom humor internacional, apesar das pressões do cenário doméstico com a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 e o aumento do risco fiscal com os entraves para a sanção do Orçamento de 2021. Seguindo o otimismo nas principais Bolsas internacionais, o Ibovespa, referência da B3, encerrou o dia com alta de 0,41%, aos 119.297 pontos. Este foi o melhor desempenho desde 17 de fevereiro, quando o pregão fechou aos 120.355 pontos. O resultado também volta a deixar a Bolsa brasileira com saldo positivo em 2021 ao registrar alta de 0,23% desde o início do ano. Os negócios fecharam na véspera com alta de 0,97%, aos 118.811 pontos. Já o dólar fechou praticamente estável ao registrar queda de 0,08%, cotado a R$ 5,718, depois de bater máxima de R$ 5,756 e mínima de R$ 5,664. O câmbio encerrou nesta segunda-feira, 12, com alta de 0,84%, a R$ 5,722.

Mercados de todo o mundo repercutiram o aumento acima do esperado da inflação nos Estados Unidos em março, indicando forte recuperação da maior economia do mundo após o choque da pandemia do novo coronavírus. Segundo dados do Departamento do Trabalho, a variação de preços atingiu 0,6% no mês passado, avanço de 2,6% na comparação com março de 2020, o maior registro ano a ano desde agosto de 2018. A alta foi puxada pelo encarecimento de 9,1% da gasolina no mês passado. Na comparação com o mesmo mês do último ano, o combustível apresenta alta de 22,5%. No campo negativo, investidores também repercutiram a recomendação da agência sanitária norte-americana pela suspensão da vacina contra a Covid-19 da Janssen após a notificação de casos de coagulação. Seis pessoas desenvolveram um distúrbio raro envolvendo coágulos sanguíneos cerca de duas semanas depois de receberem doses do imunizante.

Já no noticiário local, investidores seguiram acompanhando os desdobramentos na implementação da CPI da Covid-19 para averiguar ações do governo federal no combate à pandemia. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) iniciou na tarde desta terça-feira o processo para instaurar a investigação. Segundo relatos feitos à Jovem Pan, Pacheco planeja anexar ao pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que prevê a investigação de supostas omissões do governo Jair Bolsonaro, a petição do senador Eduardo Girão (Podemos-CE), que inclui prefeitos e governadores no rol dos investigados. A sessão ainda está em andamento. O mercado também manteve a apreensão com as indefinições para a aprovação do Orçamento de 2021 após uma série de entraves entre o governo federal e o Legislativo na inclusão de emendas parlamentares. A equipe econômica estuda a criação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para autorizar gastos extraordinários de combate à pandemia fora do teto de gastos. Segundo uma minuta obtida pela Jovem Pan, a medida prevê até R$ 35 bilhões de recursos extras. Já fontes ligadas ao governo afirmam que o valor deve ser de aproximadamente R$ 15 bilhões.