Ibovespa supera os 121 mil pontos com cenário internacional; dólar recua

Os principais indicadores do mercado financeiro brasileiro seguem o bom humor internacional e operam no campo positivo nesta quinta-feira, 15, apesar das pressões internas com a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 e a falta de acordo para a aprovação do Orçamento de 2021. Por volta das 12h15, o Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, operava com alta de 0,21%, aos 120.550 pontos após superar os 121 mil pontos no início das negociações. O pregão fechou a véspera com avanço de 0,84%, aos 120.294 pontos. O cenário também faz o real manter vantagem ante o dólar, que operava com queda de 1%, cotado a R$ 5,613 depois de bater máxima de R$ 5,660 e mínima de R$ 5,597. A moeda americana encerrou a quarta-feira, 14, com baixa de 0,82%, a R$ 5,670.

Os mercados internacionais seguram o bom humor com os resultados positivos na primeira leva de balanços de empresas divulgados nesta semana e os indícios de recuperação da economia dos Estados Unidos e da China. Investidores também repercutem as declarações de Jerome Powell, presidente do Banco Central norte-americano (Fed, em inglês), sobre a manutenção da política de estímulos com juros baixos até 2022. Ainda na pauta internacional, o presidente dos EUA, Joe Biden, determinou sanções contra a Rússia, que está sendo acusada de realizar ciberataques, interferir nas últimas eleições presidenciais a favor de Donald Trump e oferecer recompensas a quem matasse soldados norte-americanos no Afeganistão. O democrata também mandou expulsar 10 diplomatas russos do país.

Já no cenário local, investidores seguem analisando as consequências políticas com a instalação da CPI da Covid-19 para investigar as ações do governo federal durante a pandemia, além do repasse de verbas da União para Estados e municípios. A falta de consenso para a aprovação do Orçamento de 2021 a uma semana do prazo também pressiona o humor do mercado. O governo estuda formas de financiar programas para a manutenção de emprego e crédito para empresários sem estourar o teto de gastos por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), mas para isso será necessário elevar a meta fiscal do ano.