Ibovespa supera os 126 mil pontos e renova a máxima histórica; dólar sobe

O Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, renovou a máxima histórica nesta segunda-feira, 31, ao fechar aos 126.215 pontos após registrar alta de 0,52%. O pregão já havia batido recorde na sexta-feira, 28, ao avançar 0,96% e fechar com 125.561 pontos. Com o desempenho, o principal indicador da B3 fechou o mês de maio com alta de 6,1,%, e somou avanço de 6% desde o início do ano. O dólar também seguiu a direção de alta e encerrou o dia com avanço de 0,25%, cotado a R$ 5,225 depois de alcançar a máxima de R$ 5,263 e a mínima de R$ 5,199. O resultado fez o câmbio encerrar maio com queda de 3,8%, enquanto desde o início do ano a moeda registrou valorização de 1,3%. O dólar encerrou a semana passada em queda, cotado a R$ 5,212, o menor valor desde 14 de janeiro, quando encerrou a R$ 5,209.

Os mercados dos Estados Unidos estão fechados nesta segunda-feira em celebração ao Memorial Day, impactando na redução de volume nas Bolsas globais. No cenário doméstico, dados do Boletim Focus mostraram que mercado financeiro elevou a expectativa da inflação em 2021 para 5,31%, acima do teto da meta de 5,25% perseguida pelo Banco Central, com centro de 3,75% e piso de 2,25%. Esta foi a oitava revisão seguida das fontes consultadas pela autoridade monetária nacional. Analistas e economistas também mudaram a expectativa com o Produto Interno Bruto (PIB) para 3,95%, a sexta revisão consecutiva. Os dados da economia brasileira no primeiro trimestre serão revelados pelo IBGE nesta terça-feira, 1º. O Boletim Focus também mostrou nova projeção para a Selic, a principal ferramente do BC para conter a inflação, para 5,75% até o fim de 2021.