Ipea revisa de 3,5% para 3,7% projeção da inflação em 2021

Os preços mais altos de alguns produtos têm afetado os bolsos dos consumidores brasileiros. Nesta terça-feira, 23, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) reviu para cima a projeção de IPCA em 2021. No final do ano passado, o órgão projetava um inflação oficial de 3,5%. Agora, aposta em 3,7%. Para o Ipea, a inflação não cedeu, segue relativamente pressionada e ainda é impactada por commodities que estacionaram em um patamar elevado e também por um cambial mais alto do que era projetado no fim do ano passado.

A perspectiva é de alimentos subindo neste ano com ritmo menores do que em 2020, preços livres também subindo, especialmente os serviços, com taxa duas vezes maior do que a observada no ano passada. Segundo a pesquisadora do IPEA, Maria Andréia Lameiras alguns itens alvos de preocupação do presidente Jair Bolsonaro, como combustíveis e energia elétrica, devem impactar bastante o IPCA de 2021. “Tanto o IPCA quanto o INPC trajetória é marcada por uma desaceleração no preço dos alimentos e de alguma aceleração nos preços administrados, principalmente ligados a combustíveis, energia elétrica e transporte público”, disse. A meta de inflação para este ano é menor, 3,75%, com margem de erro de 1,5 ponto percentual. O Ipea está projetando inflação no limite do centro da meta: 3,70%.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga