Mesmo com reabertura, shoppings cobram auxílio do Ministério da Economia

Mesmo com a retomada parcial das atividades, proprietários de shoppings em todo o país buscam auxílio financeiro em audiência com o ministro da Economia, Paulo Guedes. O presidente da Abrasce, Glauco Humai, lembra que o setor ficou 200 dias com as portas fechadas na pandemia. “Linhas de crédito, auxílio para pequenos, médios e microempresários, para que a gente possa passar por esse momento e reconstruir o nosso setor nos próximos meses”, afirma. A associação dos shoppings comemora a reabertura parcial, mas considera o prejuízo irreparável, uma perda de 36% no faturamento em 2020, queda de 30% no último trimestre, 15% de demissões e o fechamento de 15 mil lojas.

“A gente vê uma certa inação do poder público, municipal, federal e estadual para que a gente possa dialogar e ter planos sérios, efetivos e realizáveis para auxílio aos empresários e também trabalhadores”, ressalta Glauco Humai. A Abrasce quer discutir um rodízio de atividades, em possíveis novos fechamentos do varejo. “Tomara que não tenhamos que fechar novamente, mas se tiver que fechar, feche 15 dias a construção civil. Nada contra a construção civil, mas é um setor que está funcionando ininterruptamente. Que feche 15 dias da indústria que não é essencial, outros segmentos que estão trabalhando sem fechar, e assim a gente pode equilibrar, não só os shoppings pagaram essa conta, que está sendo muito difícil de ser paga”, disse. Glauco Humai afirma que o setor investiu mais de RR$ 1 bilhão em protocolos de segurança contra a Covid-19 para operar na pandemia.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos