Como funciona uma prótese peniana?

Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes
Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes

Na maioria dos casos, a disfunção erétil provém de fatores psicológicos, a ansiedade é um exemplo claro e recorrente do distúrbio, por isso, os cuidados da mente, afirma o Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, devem ser tratados da mesma forma, assim como patologias de caráter físico.

A disfunção erétil pode causar inúmeros transtornos, tanto para quem desenvolve a doença, como para seu parceiro sexual que deverá fazer o tratamento conjuntamente. Há vários problemas atrelados, contudo, a disfunção erétil mais conhecida é a impotência sexual.

Nesse sentido, se não surtirem resultados após a ingestão de fármacos e injeções para o pênis, um dos tratamentos para esse distúrbio é a prótese peniana, ressalta o médico urologista Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes.

A prótese peniana pode ser de dois tipos: inflável e semi-rígida. Sendo a primeira, uma forma dinâmica, pois permite que o paciente controle sua ereção e a semi-rígida consiste em uma prótese ereta.

É uma cirurgia arriscada, avulta o Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, sendo assim, é preciso realizar o procedimento com profissionais qualificados, tendo em vista os riscos das complicações que podem surgir. Exemplos como inchaço, infecção ou até a adesão da prótese junto do pênis.

Após a realização da cirurgia são necessárias medidas para prevenir o aparecimento de complicações e para promover a recuperação da melhor maneira no paciente, sendo assim, repouso e descanso são necessários, narra o Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, mestre e doutor em Urologia. Além disso, é necessário um acompanhamento de perto entre o médico e o paciente após a realização do procedimento cirúrgico para verificar e certificar de que está tudo dentro da normalidade, aconselha Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, doutor em urologia pela Universidade Federal de São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui